Pesquisar

Seja um tutor responsável, colabore com o Bem-Estar Animal

EU ADOTEI…OU FUI ADOTADA?

Lá em casa éramos nós 4. Eu, meu pai, minha mãe, meu irmão e mais 3 cadelas lindas e muito peraltas! Não pensávamos em ter mais, até que a Belinha apareceu. Uma vira-lata de aproximadamente 9 anos. Como não sei sua idade, você deve estar se perguntando, né? É que a   Belinha  foi resgatada e, confesso que foi um desafio para todos nós! Ela estava abandonada, triste, com medo, suja, mau cuidada…era de partir o coração. 

Imagina só, já estávamos acostumados com três cachorros, mas quatro? Parecia demais!

No começo a Belinha ia ficar em casa como um lar temporário, mas dia a dia, suas gracinhas foram conquistando cada um de nós, e aí já viu né! Lá em casa já experimentamos de tudo, temos um Rottweiler, a Dona, nossa Shih – Tzu Hanna, e duas Vira-latas , Lunna e agora, a Bela.

 O cuidado com cada uma deve ser exclusivo, mas a atenção e dedicação que um pet resgatado precisa é diferente dos demais. A gente não sabe dos traumas, do que viu e viveu, como se alimentou ou sobreviveu na rua.  É tudo uma descoberta, algumas desconfianças pelo comportamento as vezes imprevisto e aquela carinha de medo, desconfiança enfim é  uma outra realidade, mas que exige muito amor e atenção.

Um animal resgatado não é planejado, não dá tempo de colocar no papel tudo que iremos gastar antes de cuidar,  tudo acontece inesperadamente e, precisamos agir rápido, afinal o cuidado, muitas vezes, não pode esperar! 

Posso dizer que adotar  é um desafio, você não sabe muita coisa, não sabe nem a idade certa, as doenças que já teve, vai descobrindo machucados, medos, vai conhecendo aos poucos  aquele animalzinho desprotegido e carente! Mas tudo isso parece criar um vínculo tão forte que, com certeza, não há  nada melhor que saber que essa fase da vida dele junto a nós é a melhor que ele já viveu em todo seu percurso!  E aquele rabinho abanando quando alguém chega, aquela lambida chamando para brincar e até as broncas por alguma arte, tudo faz valer  a pena resgatar, adotar e se doar por um amor tão sem compromisso, não é mesmo!

Nenhum gasto suficiente cobre um olhar de carinho deles para conosco, é maravilhoso poder fazer parte da vida desses pequeninos, mesmo que seja por pouco tempo ou por muito tempo pois a Belinha já faz parte da família, não tem jeito, o amor venceu!

Adotar é tudo de bom, experimente! 

BY Carol Torres

Gostou? Compartilhe com seus amigos

WhatsApp

Artigos mais lidos